This website is using cookies

We use cookies to ensure that we give you the best experience on our website. If you continue without changing your settings, we'll assume that you are happy to receive all cookies on this website. 

Ady Endre: Egyedül a tengerrel

Portre of Ady Endre

Egyedül a tengerrel (Hungarian)

Tengerpart, alkony, kis hotel-szoba.

Elment, nem látom többé már soha,

Elment, nem látom többé már soha.

 

Egy virágot a pamlagon hagyott,

Megölelem az ócska pamlagot,

Megölelem az ócska pamlagot.

 

Parfümje szálldos csókosan körül,

Lent zúg a tenger, a tenger örül,

Lent zúg a tenger, a tenger örül.

 

Egy Fárosz lángol messze valahol,

Jöjj, édesem, lent a tenger dalol,

Jöjj, édesem, lent a tenger dalol.

 

A daloló, vad tengert hallgatom

És álmodom az ócska pamlagon

És álmodom az ócska pamlagon.

 

Itt pihent, csókolt, az ölembe hullt,

Dalol a tenger és dalol a mult,

Dalol a tenger és dalol a mult.



Uploaded byP. T.
Source of the quotationhttp://mek.niif.hu

Só com o mar (Portuguese)

Costa, crepúsculo, quarto de pensão:

foi-se embora, não a vejo mais, não,

foi-se embora, não a vejo mais, não.

 

Flor no sofá abandonada está,

abraçado estou ao velho sofá,

abraçado estou ao velho sofá.

 

Seu perfume plana em beijos à volta,

o mar está feliz, em baixo se solta,

o mar está feliz, em baixo se solta.

 

Arde um Farol, longe, em qualquer lugar,

vem, minha querida, em baixo canta o mar,

vem, minha querida, em baixo canta o mar.

 

O mar, que canta, eu escuto, medonho,

e, deitado no velho sofá, sonho,

e, deitado no velho sofá, sonho.

 

Aqui repousou, beijou, abraçados,

é o mar que canta e canta o passado,

é o mar que canta e canta o passado.



Uploaded byP. T.
PublisherÂncora Editora, Lisboa
Source of the quotationAntologia da Poesia Húngara

Related videos


minimap